jusbrasil.com.br
18 de Outubro de 2017
    Adicione tópicos

    Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região TRT-10 : Precat 759199700910401 DF 00759-1997-009-10-40-1 - Inteiro Teor

    Inteiro Teor

  • EMENTA
  • ALTERAÇÃO DOS CÁLCULOS NA FASE DO PRECATÓRIO PARA LIMITAR OS EFEITOS PECUNIÁRIOS DA CONDENAÇÃO AO PERÍODO ANTERIOR AO ADVENTO DO REGIME ESTATUTÁRIO. POSSIBILIDADE. O art. 1-E da Lei n. 9.494/97 faculta ao Presidente do Tribunal rever as contas do precatório antes do seu pagamento. A atribuição dessa competência legitima a atuação revisora do Presidente do Tribunal na fase do precatório para expungir equívocos existentes na quantificação do débito, inclusive para limitar os cálculos de modo a compatibilizá-los com o alcance e sentido da decisão condenatória. A sentença exeqüenda limitou a competência da Justiça do Trabalho no exame da causa, dispondo que a apreciação e julgamento da ação estaria circunscrita ao período em que o vínculo jurídico estabelecido entre as partes era o de contrato de emprego. Assim, a execução de parcelas referentes ao período do regime estatutário, além de ultrapassar o âmbito de competência material da Justiça do Trabalho, extrapolaria os limites objetivos da coisa julgada.
  • RELATÓRIO
  • A Presidência desta Corte, em decisão de fls. 112/114, deferiu o Pedido de Revisão de Cálculos formulado pelo Distrito Federal, limitando os efeitos pecuniários da decisão condenatória ao período anterior ao advento do regime estatutário. As exeqüentes interpõem Agravo Regimental às fls. 120/125, alegando, em síntese, afronta à coisa julgada e ao instituto da preclusão consumativa e temporal. Acrescenta que os atos praticados pelo Presidente do Tribunal no Precatório ostentam natureza administrativa, de modo que, alterar os valores da condenação mediante ato meramente administrativo do Presidente do Tribunal no precatório configura usurpação da competência do juízo de primeiro grau. Mantida a decisão agravada, nos termos do despacho de fl. 127. O Agravado apresenta contraminuta às fls. 132/136. O Ministério Público do Trabalho, em parecer do Procurador Valdir Pereira da Silva, opina pelo conhecimento e não-provimento do Agravo Regimental. É o relatório
  • VOTO
  • ADMISSIBILIDADE Trata-se de recurso adequado para impugnar decisão monocrática da Presidente do Tribunal, tempestivamente interposto. O apelo encontra-se subscrito por advogado habilitado. Presentes os pressupostos de admissibilidade, conheço do Agravo. MÉRITO ALTERAÇÃO DOS CÁLCULOS NA FASE DO PRECATÓRIO. LIMITAÇÃO AO PERÍODO ANTERIOR AO REGIME ESTATUTÁRIO. Como relatado, a Presidência desta Corte, deferiu o Pedido de Revisão de Cálculos formulado pelo Distrito Federal, limitando os efeitos pecuniários da condenação ao período anterior ao advento do regime estatutário. As exeqüentes argumentam que limitar a execução na fase do precatório afronta a coisa julgada e o instituto da preclusão consumativa e da preclusão temporal. Ressaltam, primeiramente, que somente se atingiu a fase de precatório em virtude do trânsito em julgado de todas as decisões de mérito e das proferidas na fase de execução, de modo que não cabe o executado pretender a revisão de cálculos já transitados em julgado. Pontuam que o demandado, na época em que apresentou Embargos à Execução, restringiu-se a impugnar os juros de mora, ficando a limitação dos cálculos preclusa, em razão da consumação do ato e do tempo que tinha para tratar da matéria, que somente agora, na fase do precatório, veio a se insurgir. Em seguida, assinalam que os atos praticados pelo Presidente do Tribunal no Precatório ostentam natureza administrativa. Transcreve aresto do Pleno do STF para corroborar sua tese. Nesse diapasão, defendem que alterar os valores da condenação mediante ato meramente administrativo do Presidente do Tribunal no precatório configura usurpação da competência do juízo de primeiro grau. Não assiste razão às Agravantes. O art. 1-E da Lei n. 9.494/97 faculta ao Presidente do Tribunal rever as contas do precatório antes do seu pagamento. Trata-se de competência concorrente com a do juízo da execução, que legitima a atuação revisora do Presidente do Tribunal na fase do precatório para expungir equívocos existentes na quantificação do débito, inclusive para limitar os cálculos de modo a compatibilizá-los com o alcance e sentido da decisão condenatória. Por força desse dispositivo legal, tem-se que a concordância do ente público com os valores apurados em liquidação de sentença, o fato de haver praticado atos incompatíveis com a vontade de alterar os cálculos de liquidação, ou até mesmo deixar transcorrer o prazo sem qualque...
    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.