jusbrasil.com.br
18 de Setembro de 2021
1º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

TRT10 • 0001564-22.2014.5.10.0001 • Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região - Inteiro Teor

Detalhes da Jurisprudência
Juiz
MAURO SANTOS DE OLIVEIRA GOES
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Processo: 01564-2014-001-10-00-5 Execução Provisória em Autos Suplementares
Origem: 1ª Vara do Trabalho de Brasília/DF
Reclamante:Andreia Werner Cantagalo
Advogado: Jose Maria de Oliveira Santos
Reclamado:União (Ministério da Educacao)
Ata ou Sentença do (a) Exmo (a) Juiz (a) Mauro Santos de Oliveira Goes

1ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA/DF



Processo nº 0001564-22.2014.5.10.0001












Vistos os autos.

A UNIÃO opõe EMBARGOS À EXECUÇÃO na execução movida por ANDREIA WERNER CANTAGALO para alegar erro no direcionamento da execução e majoração dos cálculos.


A embargada apresentou manifestação.


É, em síntese, o relatório.


CONHECIMENTO


Aviado a tempo e modo, os embargos à execução se encontram aptos ao conhecimento.


MÉRITO


EXAURIMENTO DA EXECUÇÃO EM FACE DA PRIMEIRA RECLAMADA ANTES DA UNIÃO


Sustenta a embargante que não foram esgotados todos os meios executórios contra a primeira executada e seus responsáveis patrimoniais. Por conseguinte, pleiteia seja aplicada a teoria da desconsideração da personalidade jurídica à primeira executada e que sejam exauridas as diligências executórias contra seus sócios.


De pronto, destaco que, há nos autos notícia de que a primeira executada encontra-se com falência decretada, deferida pelo juízo da 1ª Vara de Falências, Recuperações Judiciais do DF, em 25.10.2011 - processo n. 2009.01.1.125241-4 (fl. 376) .


Assim, inexiste competência desta Justiça para prosseguir na execução tanto contra a primeira executada quanto em relação a seus sócios, uma vez que, deferida a falência quanto a ela, o juízo competente é o juízo universal falência.


Nesse raciocínio, o prosseguimento da execução contra o devedor subsidiário, não encontra nenhum impedimento.


Neste sentido:


COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO. LEI N.º 11.101/2005. Estando a executada em liquidação extrajudicial, nos termos do parágrafo segundo do art. 6.º da Lei n.º 11.101/2005 a competência da Justiça do Trabalho permanece até a liquidação da conta, com posterior expedição de certidão para inscrição do crédito perante o Juízo Falimentar. Todavia, existindo devedora subsidiária, responsável pelo adimplemento do crédito trabalhista quando patente a insolvência da executada principal, a competência para a execução dos haveres obreiro permanece nesta Justiça Especializada.”(...) (grifei) (TRT 10ª Região, Ac. 2ª Turma, 00675-2005-004-10-00-2AP, Rel. Juiz Gilberto Augusto Leitão Martins , DEJT 7/11/2008).


INEXIBILIDADE DO TÍTULO - ADC 16 DO STF


Sustenta a embargante que o título executivo deve ser declarado inexigível, eis que a responsabilidade subsidiária aplicada à embargante não pode prevalecer, uma vez que se encontra em desacordo com a ADC nº 16/STF.


Não assiste razão à embargante, dada a impossibilidade de rediscussão acerca da condenação imposta à segunda executada, até o momento, por isso, a execução se processa de forma provisória.


Embargos improcedentes no tópico.


EXECUÇÃO PROVISÓRIA


A embargante defende a nulidade do mandado de intimação da União para os fins do artigo 730 do CPC, tendo em vista a impossibilidade de execução sem o trânsito em julgado da decisão em face da União.


Sem razão o embargante.


Prefacialmente, insta ressaltar que o artigo 899, da CLT, diz que os recursos “terão efeito meramente devolutivo, salvo as exceções previstas neste Título, permitida a execução provisória até a penhora”.


Observa-se que não há norma que exclua a Fazenda Pública da execução provisória, sendo necessária apenas a harmonização desta com o instituto do pagamento por precatório.


Não vislumbro, assim, nenhuma ofensa aos trâmites elencados no artigo 730 do CPC, porquanto a execução provisória visa tão somente à liquidação do quantum debeatur, decorrente do título executivo judicial.


Os artigos 794 e 795 da CLT definem que para o acolhimento de nulidade há necessidade de manifesto prejuízo, o que não se verifica no presente caso, eis que a embargante foi citada apenas para a interposição de embargos à execução, não havendo cominação de requisição, como ocorre na execução definitiva. Precedentes: (TRT 10ª Região, AP 00254-2002-001-10-00-0, Ac. 1ª Turma, Relatora Juíza Cilene Ferreira Amaro Santos, publicado em 14/01/2005).


Assim, não assiste razão à embargante.


JUROS DE MORA – OJ-SDI1-382


Em relação aos juros de mora não há que se falar em alteração dos cálculos, visto que o v. Acórdão de fls. 114v E 115 definiu que no caso de redirecionamento da execução em face do devedor subsidiário, incidiria o entendimento consolidado na OJ-SDI1-382, que diz:


...a Fazenda Pública, quando condenada subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas devidas pela empregadora principal, não se beneficia da limitação dos juros, prevista no art. 1º-F da Lei n.º 9.494, de 10.09.1997.”


Assim, julgo improcedentes os embargos à execução, neste particular.


Em relação ao INSS-Terceiros o valor referente a mencionada parcela deverá ser excluída dos cálculos, em razão da incompetência desta Especializada para sua execução.


CONCLUSÃO


Pelos fundamentos expostos, conheço dos embargos à execução, para, no mérito, julgá-los PARCIALMENTE PROCEDENTES, nos termos da fundamentação, que chamo a fazer parte do presente dispositivo.


Publique-se


Intime-se a União.



MAURO SANTOS DE OLIVEIRA GÓES

Juiz Titular

Disponível em: https://trt-10.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1160055408/15642220145100001-df/inteiro-teor-1160055431